Symantec e VeriSign confirmaram hoje a venda da divisão de segurança da VeriSign, especializada na venda de certificados digitais SSL (Secure Sockets Layer), usados para autenticar os servidores de internet segura. A transação, segundo as empresas, dará à VeriSign a oportunidade de focar no negócio mais lucrativo de nome de domínio, e à Symantec a possibilidade de ampliar seu portfólio de produtos de segurança para corporações.

O negócio de venda de certificação da VeriSign tem crescido lentamente nos últimos tempos, por conta da queda de preços dos certificados SSL. “Se você quer ter sucesso nesse mercado é preciso ter uma série de serviços, a plataforma, canais de distribuição, um monte de coisas que a Symantec tem”, disse Mark McLaughlin, presidente e CEO da VeriSign.”

As companhias já vinham negociando uma parceria há mais de um ano. E o aquecimento da economia tornou viável a aquisição de parte da VeriSign. No mês passado, a Symantec já havia anunciado planos para gastar 370 milhões dólares na compra duas empresas de criptografia: a PGP e a GuardianEdge.

Segundo Francisco de Souza, vice-presidente sênior do Enterprise Security Group da Symantec, a empresa planeja fundir o negócio de SSL da VeriSign com o seu próprio negócio de detecção de intrusão, cujos produtos são largamente utilizados em e-commerce. A Symantec também planeja oferecer um modo de gerenciamento de certificados digitais em uma próxima versão do Symantec Protection Center.

Já na ponta do consumidor final, a Symantec quer integrar o serviço de autenticação VeriSign Identity Protection (VIP) à sua linha de produtos Norton Identity Safe, criando uma ampla base de usuários para os serviços de autenticação da VeriSign.

A opinião do mercado é de que o negócio faz sentido para as duas empresas. “Com seu amplo portfólio de segurança, a Symantec deverá ser capaz de extrair mais valor dos produtos de segurança da VeriSign”, diz nota publicada pela consultoria financeira Lazard Capital Markets.

Cerca de 900 dos 2.200 funcionários da VeriSign serão transferidos para a Symantec, e dispensas não estão descartadas, já que pode haver alguma sobreposição após a integração, prevista para acontecer em setembro.

Fonte: http://computerworld.uol.com.br/negocios/2010/05/20/symantec-pagara-1-28-bilhoes-dolares-pela-divisao-de-seguranca-da-verisign/