Em uma relação provável, a tecnologia da Realidade Aumentada e a ciência uniram esforços e criaram aparelhos que combinam interação virtual com atividades ligadas ao cérebro.

Uma dessas inovações foi apresentada esse mês, em uma feira de tecnologia nos Alpes franceses, na cidade de Megeve. No evento, apareceram as mais inusitadas descorbertas provenientes da mistura de ciência e tecnologia, onde cientistas mostraram as últimas pesquisas baseadas no estímulo da percepção humana a partir de informações da internet, e até de dados processados no cérebro.

Os equipamentos são baseados no movimento dos olhos, técnica já usada há anos, mas que agora, com a RA e outras tecnologias, tornaram os sistemas mais interativos possibilitando a transmissão instantânea de dados gerados por um PC. O Centro de Pesquisas em Telecomunicações de Viena apresentou um rastreador ocular, desenvolvido para captar os espaços nas cidades, através de informações on-line.

Os pesquisadores conectaram o aparelho, com uma câmera voltada para o olho do usuário e outra para o local observado, a um celular com GPS. Ainda, alguns sensores, que indicam a posição dos olhos, foram acrescentados ao equipamento, que por sua vez foi acoplado ao capacete da pessoa. O mais interessante é que se o usuário, por exemplo, fechar os olhos por dois segundos, ele pode mandar um pedido de informação sobre o objeto a sua frente, e o computador de acesso remoto analisa o dado recebido por bases de dados geográficos como o Google Earth, e envia o resultado para o celular da pessoa.

Fonte: http://infogpsonline.uol.com.br/noticias-diarias.php?id_noticia=10631