Nada como mais uma boa história do Google Maps envolvendo os elementos indispensáveis: tensão, bons personagens, problemas com a interface e processos na justiça – além de um título sensacionalista no post.

Em 19 de janeiro de 2009, Lauren Rosenberg, moradora de Park City (Utah, EUA), decidiu fazer um percurso a pé pela cidade e buscou ajuda no Google Maps, que fez o trajeto indicado. Lauren seguiu o trecho destacado em azul na imagem acima e foi atropelada. Ela agora entrou com uma ação na Justiça contra o Google e o motorista envolvido no acidente, e pede mais de US$ 100 mil em danos.

Segundo um texto do Seach Engine Land, os advogados de Lauren afirmam que o serviço do Google não avisou que um certo trecho do percurso não tinha calçadas, e foi exatamente onde ocorreu o atropelamento. Na imagem acima, o Google avisa que as rotas a pé ainda estão na fase beta, e podem ocorrer imprecisões. Mas Lauren teria usado o serviço em seu Blackberry, ou seja: a versão mobile para estar num estágio ainda mais beta, já que, teoricamente, não alerta o usuário sobre as possíveis falhas no caminho.

Fonte: http://uoltecnologia.blog.uol.com.br/arch2010-05-30_2010-06-05.html#2010_05-31_09_18_10-141838948-26