fabricante taiwanesa Foxconn assinou um contrato para entregar a duas companhias chinesas a administração dos dormitórios utilizados para abrigar os trabalhadores em grandes campi de produção em Shenzhen, na China, afirmou a empresa no domingo (27/6).

O acordo visa a oferecer uma vida melhor aos funcionários quando não estiverem trabalhando, um esforço para frear a série de suicídios que têm capturado a atenção da mídia em todo o mundo.

A companhia entregará a administração de 153 dormitórios em dois grandes complexos de fábricas que abrigam muitos dos seus 450 mil trabalhadores em Shenzhen.

Os dois novos administradores das instalações, a Shenzhen CPM Property Management Co. e a Kaiyuan Property Management trabalharão com a empresa, governo local e sindicatos para criar um ambiente mais confortável e mais integrado a comunidade.

“Suprir as necessidades básicas dos empregados incluindo um local seguro e conveniente para viver na base da fábrica pode ter sido suficiente no passado, mas essa oferta já não mais satisfaz as necessidades dos jovens migrantes de hoje. Eles também querem ter uma vida na cidade na qual trabalham”, afirmou a Foxconn em uma declaração.

A companhia também defendeu firmemente sua conduta. Neste mês, a Foxconn anunciou que encerraria sua política de compensar famílias por suicídios devido a um medo de que essa garantia poderia incentivar novos incidentes.

Culpar a companhia pelos suicídios é uma decisão arriscada. Dez das 13 tentativas de suicídios nas fábricas chinesas da Foxconn foram bem sucedidas, mas a taxa nacional de suicídio na China é de 15.05 para cada 100 mil pessoas, segundo um estudo publicado no jornal médico The Lancet em 2008. A companhia emprega 540 mil funcionários na China, colocando as dez mortes neste ano na empresa, ainda que trágicas, bem abaixo da média nacional.

O nome Foxconn representa a indústria Hon Hai Precision, que opera várias companhias sob o nome fantasia de Foxconn Technology Group.

Fonte: http://idgnow.uol.com.br/mercado/2010/06/28/foxconn-apresenta-mais-uma-medida-contra-suicidios-em-fabricas-chinesas/