No início da aula, depois de saudar a turma, as primeiras palavras da professora vão para David. “Tem dúvidas da semana anterior?”, pergunta Madalena Ramos, docente de Análise de Dados, dirigindo o olhar para o monitor em cima da secretária. David não está ali na sala de aula, com a turma de Sociologia do 2.º ano, mas, do lado de lá do computador, acompanha-a a par e passo. Interage, põe questões, e até espreita a sala através da câmara que comanda à distância.

Aos 24 anos, David Varela é o primeiro aluno do ensino superior a ter teleaulas. Porque sofre de uma doença neuromuscular progressiva e severa, que lhe tira a mobilidade, não pode deslocar-se à faculdade. Mas este problema grave não o impediu de se candidatar ao curso de Sociologia no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). No ano passado, assistiu às aulas via Skype, mas este ano recebeu apoio da Fundação PT e obteve tecnologia mais avançada.

“Foi uma aventura”, conta, entre risos, deitado no sofá da sua sala e com o computador junto ao rosto. “Como não sou de desistir facilmente, candidatei-me, mesmo sabendo que o ensino superior não disponibilizava condições a alunos como eu”, acrescenta.

No ensino secundário, David já usufruiu desta tecnologia da PT, mas a “grande vitória” foi conseguir estendê-la ao superior. Para que, tal como ele, outras pessoas com deficiência não abdiquem do sonho de tirar um curso. “E muitos Davids, que no fim do secundário possam vir atrás. Abrir portas a outros foi sempre o meu objectivo pessoal.”

Da sua sala, David vê o quadro, a turma e o professor. “Sinto mesmo que estou dentro da sala”, explica, mostrando no monitor as facilidades do sistema: receber ficheiros, falar à distância e manipular a câmara da parede da sala, apontando-a para onde quiser.

Em casa, David sente-se sozinho por não ter os colegas para conviver. Ele que “gosta tanto de festas”, admite. Mas há vantagens em não ter de vir do Barreiro até Lisboa, sublinha com um sorriso optimista. “Levanto-me 15 minutos antes da aula começar e nunca apanho trânsito.”

A tecnologia está a funcionar há poucos dias, mas tanto alunos como docentes já se habituaram à presença de David e a superar falhas que possam ocorrer na comunicação. “Ele é participativo mas prefere tirar dúvidas no final da aula, por e-mail ou Skype”, diz a professora Madalena Ramos. A sala está reservada para a turma, para poderem fazer trabalhos de grupo em videoconferência.

Este ano, David já veio ao ISCTE apresentar um trabalho e praxar os caloiros. “Ele está muito bem integrado. Encontrou aqui laços de amizade”, diz Andreia, amiga e colega que o acompanha desde 2009. “Ainda havia muitos tabus, porque as pessoas não sabiam como agir. Mas como costumo dizer, ele só tem um problema: precisa que alguém lhe empurre a cadeira de rodas.”

Quebrar preconceitos é o lema de David, que quando for sociólogo quer investigar o ramo do associativismo. “Sou muito empenhado na luta dos ‘meus’. Para a sociedade nos aceitar, temos de sair de casa. Pois olhos que não vêem são como coração que não sente.”

Fonte: http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1722751