No entanto, ainda faltam mais 100 anos até que os 21 milhões de moedas restantes se esgotem

De acordo com vários exploradores de blockchain (registros de transações criptografadas) de Bitcoin e sites de informações de mercado, mais de 17.850.000 Bitcoin foram extraídos e estão classificadas como “em circulação”. Isso representa mais de 85% do limite de 21 milhões de moedas criptografadas. Como resultado, há pouco mais de 3.000.000 de Bitcoin sobrando.

Não há necessidade de pânico, no entanto. O fato de que o Bitcoin tem uma oferta limitada é geralmente considerado uma coisa boa, e dá à moeda propriedades anti-inflacionárias. Em outras palavras, a oferta finita do Bitcoin lhe dá escassez e valor, impedindo que ele seja desvalorizado por uma oferta ilimitada.

Novos Bitcoins são criados quando um número suficiente de nós na rede verifica um bloco de transações. Os mineiros recebem uma recompensa na criptomoeda para cada bloco extraído, e ao fazê-lo, mais Bitcoin são colocados em circulação. Cada vez que 210.000 blocos são adicionados ao blockchain, a recompensa de mineração é reduzida para metade para garantir um fornecimento constante de Bitcoin. De um modo geral, isso acontece a cada quatro anos.

“As moedas precisam ser distribuídas inicialmente de alguma forma, e uma taxa constante parece a melhor fórmula”, disse Satoshi Nakamoto, pseudônimo usado pelo criador da Bitcoin.

Eventualmente, o limite de 21 milhões de moedas será efetivamente alcançado e as recompensas de mineração se tornarão insignificantes – atualmente os mineiros são recompensados com 12,5 Bitcoins por cada bloco extraído. Uma ideia, colocada por Nakamoto no artigo sobre Bitcoin, sugere que a rede terá que mudar para recompensar os mineiros com as taxas de transação, mas prevê que isso ocorrerá apenas em 2140. Assim, esse será um problema para a próxima geração lidar.

Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/pesquisadores-apontam-que-85-do-bitcoin-do-mundo-ja-foi-extraido/88701