Ela já colocou fotos constrangedoras de sua infância no Orkut. Escreveu no Facebook que você deveria comer mais legumes. Segue seu perfil no Twitter, fazendo com que você pense duas vezes antes de postar. E comentou seu blog, dizendo que a história relatada “não é bem essa” – para em seguida dar a versão sem graça dos fatos. Como se os exemplos acima já não mostrassem que a combinação mãe + internet pode ser perigosa, Geri Brin deu um passo além e criou um site com o objetivo de encontrar uma namorada para Colby, seu filho de 31 anos da foto abaixo.

Agora que você já riu do pobre Colby, a má notícia: qualquer mãe (tia/avó/madrinha) pode usar esse mesmo site caso a solteirice de um conhecido ou conhecida esteja incomodando. “Há cinco anos tento encontrar alguém para ele. Já até armei um encontro com a vendedora do estabelecimento onde troquei o forro do meu sofá. Percebi que poderia criar uma grande rede e aumentar suas chances [com o site]”, explicou Geri, que trabalha no ramo de internet com o filho.

O “New York Post”, que divulgou a empreitada da determinada mãe, afirmou que 20 pessoas já haviam inscrito seus “próprios solteiros” no site até a manhã desta segunda-feira (19) — para ver quem são as pessoas disponíveis, é necessário se cadastrar. E se você estiver solteiro, um conselho: inscreva-se a-go-ra! Vai que aquela sua tia generosa quis fazer um favor e cadastrou você, com aquela foto toda pimposa, lá no site… Vai que!

Fonte: http://uoltecnologia.blog.uol.com.br/arch2010-07-18_2010-07-24.html#2010_07-19_14_13_38-143746621-0