A situação envolvendo o Facebook e a empresa de consultoria digital Cambridge Analytica respingou em Mark Zuckerberg. Um grupo de investidores decidiu iniciar uma campanha para tirar o fundador da empresa do poder, alegando que que ele não tem a compreensão de como uma grande companhia de capital aberto e alcance global deve ser gerida.

Michael Connor, CEO da Open MIC, afirma que o Zuckerberg não tem mais condições de ocupar as duas posições que ele tem hoje na empresa. “Ele atualmente tem dois cargos no Facebook: CEO e presidente do conselho. É hora de ele deixar pelo menos um dos cargos, se não ambos”. Connor defende que Zuckerberg apresenta sua própria renúncia ou seja demitido de uma das posições. Antes de continuar a leitura, aproveite e jogue caça-níqueis online para ganhar uma graninha extra e melhorar suas finanças do mês

É importante notar que qualquer revolta contra Zuckerberg tende a ser infrutífera por causa da composição acionária da empresa. Isso porque, apesar de o fundador ter apenas 16% das ações do Facebook, ele ainda tem 60% dos direitos de voto na companhia, o que significa que ele está protegido contra qualquer insurgência por parte dos acionistas ou do conselho. Ele só deixará algum dos cargos se ele quiser, portanto.

 Também é importante notar que por mais que a Open MIC seja influente, a empresa não tem nenhuma participação no Facebook. O que o grupo faz é coordenar os investidores da empresa em prol de algum objetivo específico, como solicitar conferências para discutir temas como as suspeitas de interferência russa na campanha presidencial americana de 2016 por meio de anúncios patrocinados com dinheiro vindo do exterior.

A Open MIC não é a única a pedir a renúncia de Zuckerberg. Scott Stringer, diretor da controladoria de Nova York, defende uma reorganização na estrutura do conselho do Facebook em nome de um fundo de pensão municipal da cidade, que tem boa parte das ações da empresa. Ele acredita que é necessário haver um presidente independente do conselho, capaz de supervisionar as ações de Zuckerberg.

Mark Zuckerberg, além de ter o poder de voto para impedir que qualquer mudança seja feita contra sua vontade, simplesmente não quer deixar o poder na empresa que fundou em 2004. Diante da crise, ele apenas afirma estar confiante de que a empresa será capaz de superar os problemas, sem dar qualquer indício de que pretenda deixar algum de seus cargos.


Mark pode perder o controle do Facebook e ainda enfrenta problemas com seus vizinhos. 

Alguns desses cuidados têm incomodado a vizinhança de Mark Zuckerberg, o presidente do Facebook, que agora precisa enfrentar a ira dos moradores da região.

Zuckerberg (que vive em uma casa no valor de US$ 10 milhões em San Francisco, nos Estados Unidos) é o motivo de uma carta assinada pela vizinhança pedindo que outros moradores denunciem a equipe de segurança do bilionário. De acordo com eles, os guarda-costas deixam seus carros estacionados irregularmente em áreas usadas normalmente por residentes.

Além disso, a carta diz que “todos sabem o quanto é incômodo morar próximo ao Zuck”, citando os problemas que a vizinhança enfrentou durante a construção da mansão: barulho, lixo, obstrução de vias e, novamente, estacionamentos irregulares. Houve relatos de que a obra teria até desapropriado a casa de um senhor de 62 anos, deixando-o sem lugar para morar.

 Em comunicado, a assessoria de Zuckerberg disse que os carros de sua equipe estão estacionados “de acordo com as leis locais”. Já os moradores da região pretendem apresentar uma queixa formal à Agência Municipal de Transportes de San Francisco.

Venda de Ações

Em meio a tantos problemas, Mark Zuckerberg vai se desfazer de uma quantidade considerável de ações do Facebook ao longo dos próximos 18 meses. O CEO da empresa pode ganhar até US$ 12,7 bilhões com a negociação dos ativos da empresa.

Em um post feito no Facebook nesta sexta-feira, 22, Zuckerberg anunciou a intenção de vender 75 milhões das suas ações do Facebook. Como destaca o Business Insider, considerando a cotação atual de cerca de US$ 170 pelos papeis do Facebook, Zuckerberg pode ganhar até US$ 12,7 bilhões.

Mas pode ser que ele se desfaça de uma quantidade menor de ações. Seriam 35 milhões, o que renderia cerca de US$ 6 bilhões para ele.

A ideia é financiar a Chan Zuckerberg Initative, a organização filantrópica que ele criou no final de 2015. Zuckerberg quer que esse dinheiro seja usado para financiar trabalhos em ciência e educação.

Além das ações que ele venderá agora, Zuckerberg também traçou um objetivo para o fim da sua vida: ele quer ter se desfeito de 99% das ações do Facebook quando estiver para morrer. Considerando o preço atual dos papeis da empresa, isso daria US$ 70 bilhões para os herdeiros de Zuckerberg.