“É a versão on-line da parede do banheiro na escola, o lugar de rabiscar asperezas, fofocas anônimas.”

Essa é a definição com que o site do jornal “The New York Times” introduz o Formspring, espécie de rede social de perguntas e respostas, que podem ser feitas anonimamente por internautas nas paginas de usuários.

O diário menciona que o site se tornou, nos últimos dois meses, uma obsessão de milhares de adolescentes nos Estados Unidos, um lugar para comentários e questionamentos do tipo “você ainda é amiga da Julia?”, “você não é tão quente quanto acha que é”, “você fala demais” ou “você parece estúpido quando ri”.

Comentários e perguntas vão para uma caixa no perfil, no qual o usuário pode ignorá-los, apagá-los ou respondê-los.

Apenas os respondidos são postados publicamente –algo que levou pais e conselheiros escolares a se perguntarem por que tantas pessoas jovens tornam públicos comentários ruins sobre suas aparências, amigos e hábitos sexuais.

“Parece que, quando é algo inapropriado e viciante, as crianças querem atenção, então elas postam isso”, diz Christine Ruth, conselheira escolar de Nova Jersey. E quem sabe aquilo que está sendo recebido pode ser tão devastador que elas não publicam?”

Usuários podem escolher não aceitar perguntas anônimas, mas a maioria dos jovens ignora essa opção. Alguns usuários do Formspring dizem que são esses comentários negativos, precisamente, que os atraem.

“Não há nada de positivo ali, absolutamente nada, mas as crianças não parecem ser capazes de parar de ler, até se pessoas estão dizendo coisas terríveis sobre ela”, diz Maggie Dock, também conselheira escolar em Nova Jersey. “Perguntei a uma menina: ‘se alguém estava atirando pedras em você, o que você faria?’, e ela disse que ia correr, que se afastaria. Mas que ela não vai parar de ler o que as pessoas dizem sobre ela.”

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u731190.shtml