A incubadora italiana H-Farm iniciou operações no Brasil com esforços centrados em um serviço para que empresas publiquem briefing de campanhas e recebam peças de profissionais autônomos.

Chamado de Zoopa, o serviço estava em testes entre os brasileiros há um ano meio e, em fevereiro, a incubadora entrou no estágio de montar a operação nacional, segundo seu diretor de marketing, Marcello Ursini.

A entrada no Brasil faz parte da estratégia da H-Farm  de se valorizar estabelecendo operações estrangeiras. Além do Brasil e da Itália, a incubadora tem escritório nos Estados Unidos e negocia operação na Índia.

Focada em projetos digitais, a H-Farm adotará postura de tentar trazer ao mercado brasileiro algumas das 17 startups que apóia antes de assimilar nacionais. Ursini afirma que, além do Zoopa, existem planos de replicar outras duas no Brasil, sem revelar seus nomes.

“A visão em longo prazo é incorporar negócios no Brasil. Se há um negócio interessante, podemos argumentar (com a operação italiana) para aumentar o investimento” local, diz o executivo.

Ursini não divulga o investimento para o estabelecimento da operação nacional, afirmando que o custo maior – “alguns milhões de dólares”, diz – foram para a formação original da incubadora e que o Brasil se aproveitará deste investimento.

Primeiro serviço trazido ao Brasil, o Zoopa permite que empresas contratantes publiquem direcionamentos sobre campanhas de marketing que pretendem realizar e definam um período de validade.

Baseado no briefing, profissionais inscritos no serviço (são 70 no mundo todo, sendo que 6 mil são brasileiros) enviam trabalhos em formatos como vídeos, banners e peças gráficas. Por fim, a empresa responsável pelas diretrizes escolhe os trabalhos que preferir.

O modelo de negócio da Zoopa é baseado na cobrança de uma taxa pela utilização da plataforma e pelo gerenciamento da comunidade em torno das diretrizes, segundo ele. No Brasil, a empresa já fechou com um cliente para explorar o processo de criação e negocia com outros seis, sem revelar nomes.

Fonte: http://idgnow.uol.com.br/internet/2010/04/08/incubadora-italiana-chega-ao-brasil-com-servico-de-criacao-publicitaria-coletiva/