Ilha de Lantau

Governo diz que precisa de terra extra em torno da ilha principal de Lantau para habitação

 Hong Kong planeja gastar 60 bilhões de libras esterlinas em um dos maiores projetos de ilhas artificiais do mundo. O governo promete que o projeto vai aliviar a crise imobiliária do território, mas os críticos dizem que isso causará problemas ambientais e financeiros.O governo diz que vai criar mil hectares de terra ao largo da maior ilha de Hong Kong, Lantau. O Palm Jumeirah, de Dubai, também criado por recuperação de terras, tem pouco mais da metade desse tamanho, com 560 hectares.

Palm Jumeirah

O trabalho no esquema Lantau Vision Tomorrow está programado para começar em 2025, com os primeiros residentes só mudariam sete anos depois, em 2032. As ilhas forneceriam espaço para até 260 mil apartamentos, disse o governo. Mais de 70% deles seriam reservados para moradias públicas, em uma das cidades mais densamente povoadas e menos acessíveis do mundo.

Mas os críticos alertaram que o custo, equivalente a mais da metade das reservas financeiras totais do território, poderia prejudicar financeiramente Hong Kong.

Ambientalistas dizem que o projeto é prejudicial e desnecessário. O golfinho cor-de-rosa, ameaçado na área, pode estar particularmente em risco devido ao trabalho de construção. O Greenpeace e o World Wildlife Fund argumentam que as autoridades de Hong Kong deveriam primeiro construir mais de 1.200 hectares de áreas abandonadas – antigas áreas industriais que foram poluídas, mas que poderiam ser limpas para a construção.

O governo decidiu revelar detalhes da vasta expansão anunciada no ano passado, em uma tentativa de diminuir a preocupação sobre se Hong Kong poderia pagar as novas ilhas, informou o South China Morning Post.

“Normalmente, o governo não revela estimativas de custos antes de conduzir estudos para um projeto”, disse o secretário de desenvolvimento, Michael Wong, em entrevista coletiva. “Mas o público está preocupado que o projeto possa esvaziar nossos cofres. Nossa conclusão é que isso não acontecerá”.

Milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra os planos das ilhas artificiais. O grupo de campanha Save Lantau Alliance lançou um panfleto criticando o projeto por desperdício de gastos, devastação ambiental e falta de consulta.

“As estatísticas mostram que a população de Hong Kong atingirá 8,22 milhões em 2043 e encolherá para 7,6 milhões em 2064”, disse o folheto. “Embora a população vá cair, o governo ainda quer justificar o desenvolvimento aumentando as reservas de terras para essa população fantasma”.

Wong disse que o governo pode arcar com custos anuais e acrescentou que acredita que o desembolso inicial acabará sendo recuperado. Pouco mais da metade do custo estimado abrangerá as novas ilhas artificiais.

As ilhas seriam projetadas para resistir ao impacto da mudança climática, uma grande preocupação em uma cidade muito vulnerável ao aumento do nível do mar, disse Wong. A terra formada seria, pelo menos, tão elevada quanto o aeroporto de Hong Kong, que fica a seis metros acima do nível do mar, e, no ano passado, sobreviveu ao Super Tufão Mangkhut.

Além do aeroporto, a ilha de Lantau também abriga uma ponte inaugurada em 2018 – anunciada como a ponte marítima mais longa do mundo – conectando Hong Kong à vizinha Macau e à China continental em um momento em que Pequim busca fortalecer seu poder.

Ponte de Macau

No ano passado, as autoridades de Hong Kong estabeleceram planos para outra ilha artificial de 700 hectares em torno de Lantau, como parte do plano Vision Tomorrow, mas não divulgaram mais detalhes sobre o tempo ou custo do trabalho de construção.

Fonte: http://opiniaoenoticia.com.br/internacional/hong-kong-vai-construir-uma-das-maiores-ilhas-artificiais-do-mundo/