Novas regulamentações que exigem que bares, restaurantes, hotéis e livrarias instalem um software de monitoramento de internet caro está fazendo com que vários empresários chineses cortem o acesso à internet e decepcionem os clientes que esperam ter Wi-Fi gratuito enquanto tomam um café.

O programa, que custa às empresas cerca de US$ 3.100, dá às autoridades chinesas as identidades dos que entram no serviço de internet sem fio de um restaurante, café ou escola particular e monitora sua atividade on-line. Aqueles que ignoram as regras encaram uma multa de US$ 2.300 e a possibilidade de revogação de sua licença.

“Do ponto de vista das pessoas comuns, essa política é injusta”, disse Wang Bo, dono de um café. “É apenas um esforço de controlar o fluxo de informação.”

Não está claro se as novas medidas serão restritas à área central de Pequim, mas estima-se que os oficiais de segurança chineses estejam focados em seus esforços de aumentar o controle, depois das manifestações que ocorreram no Oriente Médio e no norte da África.

A China já tem uma das maiores restrições à internet do mundo. No ano passado, o governo bloqueou mais de um milhão de sites, muitos deles pornográficos, mas também o Facebook, o Twitter, o YouTube e o Evite. Outras regulamentações recentes tornam difícil que indivíduos não afiliados a uma empresa criem páginas pessoais.

Quando o assunto é ferramentas de pesquisa e microblog, tópicos e palavras que o Partido Comunista considera como uma ameaça à estabilidade nacional são filtradas. Em cafés públicas, onde muitos dos trabalhadores chineses acessam à web, os consumidores precisam entregar uma identificação antes de usar o computador.

As novas medidas, ao que tudo indica, foram criadas para coibir o uso relativamente anônimo da internet em cafés ou restaurantes.

“Para ser honesto, eu posso ter acesso à internet em casa ou no trabalho, mas é bom poder sentar em um lugar confortável e navegar pela web”, disse Wang Fang, 28, um publicitário que frequentemente trabalha das cadeiras do Kubrick, um café que cortou o acesso ao Wi-Fi no começo deste mês. “Se não há internet, não tenho razão pra vir pra cá.”

O escritório de segurança pública de Dongcheng não respondeu à requisição de comentários na última segunda-feira (25), mas, de acordo com um aviso bastante divulgado, a medida serve para impedir a ação de criminosos que usam a internet para “conduzir chantagem, realizar tráfico de bens, apostar, propagar informações perigosas e espalhar vírus de computadores.”

O fabricante do software, a Shanghai Rain-Soft Software, recusou-se a discutir como o produto funciona. A empresa recebeu cerca de US$ 310 mil para criar o programa, segundo um site do governo.

Uma dona de livraria disse que já desconectou a conexão Wi-Fi gratuita de sua loja, mas não por razões financeiras. “Eu me recuso a fazer parte dessa vigilância orwelliana que força os consumidores a se identificar a um governo que quer monitorar como eles usam a internet”, disse a mulher, que não quis se identificar.

Fonte: http://www.correiodoestado.com.br/noticias/governo-chines-restringe-acesso-a-redes-wi-fi-em-cafes_119022/