A Google divulgou na terça-feira (20/7) um relatório com comentários sobre os efeitos da Internet na indústria de notícias, onde rechaça as propostas de se criar novas taxas e restrições legais para o uso de conteúdo noticioso por seus serviços. “A Google está comprometida a ajudar as empresas de notícias a desenvolver modos inovadores para servir a consumidores e criar modelos de geração de receitas capazes de sustentar a vitalidade dessa indústria”, afirma a empresa já na abertura do documento.

O documento da Google é uma resposta ao workshop promovido na quinta-feira (15/7) pela Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC), que discutiu potenciais políticas que seriam recomendadas à “reinvenção do jornalismo”.

Segundo o relatório da Google, Google Search, Google News e outros produtos geram mais de 4 bilhões de cliques por mês para editoras de notícias. A cada minuto, enviamos aproximadamente 100 mil visitantes a site de notícias ao redor do mundo. “Cada clique – cada visita – dá às editoras uma oportunidade de exibir anúncios, registrar usuários, cobrar por acesso a conteúdo e mais.”

Para subsidiar a indústria de notícias, a FTC propõe medidas ousadas, que exigiriam mudanças nas leis que tratam de defesa da propriedade intelectual. Em especial, alguns debatedores defendem leis mais rígidas de proteção às notícias de última hora (hot news), impedindo que elas sejam apropriadas por serviços online, como agregadores de notícias.

Fonte: http://pcworld.uol.com.br/noticias/2010/07/21/google-rejeita-proposta-de-taxa-de-internet-para-salvar-jornalismo/