O Google estaria preparando um serviço de armazenamento de arquivos na nuvem, produto que seria um concorrente direto do Dropbox. De acordo com o Wall Street Journal, que cita fontes familiares ao assunto, o Google Drive seria uma resposta ao crescimento do número de dispositivos móveis conectados à internet e à ascensão da computação em nuvem – que permite guardar arquivos em um servidor remoto e acessá-los de qualquer aparelho a partir de qualquer lugar.

O Drive permitiria que os usuários armazenassem fotos, documentos e vídeos, arquivos que por estarem acessíveis via internet também poderiam ser facilmente compartilhados. O exemplo citado pelas fontes do jornal americano é de que uma pessoa poderia fazer o upload de um vídeo via smartphone para o Drive, e enviar aos amigos apenas o link para a filmagem, em vez do arquivo em si, que é pesado.

Segundo o WSJ, o Google Drive seria lançado “nas próximas semanas” e iniciaria com opções de contas gratuitas e pagas, neste último caso para os interessados em ter mais espaço. De acordo com as fontes, o produto do gigante de buscas ofereceria os mesmos 50 GB ou 100 GB que o Dropbox por preços mensais menores do que os US$ 10 e US$ 20, respectivamente, cobrados pela start-up. Um porta-voz do Google se recusou a comentar o assunto.

A ideia de lançar o produto seria antiga, segundo as fontes. Há cinco anos, o hoje diretor-executivo Larry Page teria trabalhado com programadores na criação de um serviço de armazenamento, na época batizado de G Drive, que seria lançado em 2007. Mas nunca saiu do papel. No mesmo ano em que o gigante de buscas iniciaria o serviço, o Dropbox chegou ao mercado. Quatro anos depois, a start-up congregava mais de 45 milhões de usuários, arquivando na nuvem mias de um bilhão de documentos digitais por dia.

Além de fazer frente ao Dropbox, o Google Drive, se dessa vez sair, também concorrerá com o iCloud, da Apple, que funciona da mesma forma e sincroniza documentos entre dispositivos da fabricante do iPhone e do iPad. A novidade de Mountain View ainda rivalizaria com a Box.net, que oferece espaço na nuvem para empresas.

O mercado de armazenamento em cloud, de acordo com o WSJ, movimentou US$ 830 milhões no ano passado. A expectativa do instituto de pesquisas e análises Gartner é de que a cifra cresça 47% neste ano, atingindo o patamar de US$ 1,2 bilhão

Fonte: http://tecnologia.terra.com.br/noticias/0,,OI5610980-EI15608,00.html