A Google corrigiu 19 vulnerabilidades no navegador Chrome e pagou 14 mil dólares a nove pesquisadores de segurança por descobertas de falhas.

A atualização para o Chrome 9.0.597.107 corrige 16 falhas classificadas como de nível “alto”, segunda classificação mais perigosa, de acordo com o o ranking de ameaças da empresa. Já as outras três foram identificadas como de nível “médio”.

De acordo com a companhia, os bugs afetavam vários componentes do browser, como WebGL – que é uma API de gráficos 3D, lançada em fevereiro junto com Chrome 9 – renderização, animação e a barra de endereços.

Como de costume, a Google não forneceu mais detalhes técnicos sobre as vulnerabilidades.