Usuários brasileiros poderão ter e-mails com o endereço @facebook.com e, ainda que não tenham recebido convites, podem solicitá-lo por meio do próprio Facebook.

O serviço foi anunciado em dezembro por Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, e faz parte de um recurso cujo objetivo é agrupar mensagens dos usuários.

O sistema, afirmou o próprio Mark Zuckerberg, é baseado em três pilares que a companhia acredita serem necessários para a comunicação por mensagens atualmente: integração entre sistemas, não apenas e-mails, mas também SMS e programas de chat, o histórico de conversas e a filtragem de remetentes e destinatários.

Com o novo recurso, o Facebook converte mensagens enviadas para o e-mail do usuário para um formato semelhante ao chat da rede social, que pode ser visualizado tanto no próprio PC quanto em sistemas móveis, como smartphones ou tablets.

O histórico de cada conversa individual é registrado automaticamente pela ferramenta, que, segundo a empresa, também receberá anexos enviados por e-mail. Assim como em serviços de e-mails, será possível encaminhar a outros contatos as mensagens recebidas.

Mesmo que o remetente dos e-mails não seja usuário do Facebook, ele poderá ser integrado à ferramenta.

O sistema também é compatível com programas de bate-papo, como o Windows Live Messenger.

Compras coletivas

O Facebook também está planejando a inserção de uma ferramenta de compras coletivas em sua plataforma, cujo nome é Buy with Friends (“compre com amigos”, em tradução do inglês.

As informações foram dadas durante a semana passada pela executiva de marketing e vendas de produto da companhia, Deb Liu, durante uma conferência de aplicativos nos Estados Unidos.

Segundo o site PC World, a ferramenta está em fase de testes pelo site de relacionamentos. Usuários poderão compartilhar informações no feed de notícias do site sobre aquisições.

As compras serão relacionadas com a nova moeda virtual do site, anunciada no começo da semana. A partir de 1º de julho, o uso da moeda virtual do Facebook, conhecida como Facebook Credit, se tornará obrigatório para transações em jogos que funcionam na rede social.

Segundo o Facebook, a moeda virtual é usada atualmente por cerca de 350 aplicativos, entre eles, 22 dos 25 jogos mais populares da rede social. Os desenvolvedores ficam com 70% do montante movimentado em seus aplicativos e os 30% restantes vão para o Facebook.

Fonte: http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2011/01/31/noticiaeconomiajornal,2096257/facebook-libera-contas-de-e-mail-para-usuarios-do-brasil.shtml