Uma empresa americana que presta serviço de ambulância para atendimento emergencial foi acusada de demitir uma funcionária ilegalmente, após a moça fazer comentários no Facebook a respeito de seu supervisor. As informações são do jornal “The New York Times”.

O caso é considerado um divisor de águas para a relação entre as mídias sociais e as leis trabalhistas no país. O “National Labor Relations Board” –Conselho Nacional de Relações Trabalhistas, em tradução livre–, órgão que fiscaliza as relações trabalhistas nos EUA, decidiu intervir pela primeira vez em um caso que envolve uma comunidade virtual.

Segundo o órgão, o caso, que ocorreu em Connecticut, envolve o direito de uma funcionária de conversar com colegas sobre suas condições de trabalho.

A técnica Dawnmarie Souza teria feito críticas a seu chefe e insinuado, no Facebook, que ele era um caso de tratamento psiquiátrico. Segundo o Conselho, a publicação gerou comentários de apoio de colegas de trabalho e mais críticas ao supervisor.

A empresa afirma que permite que seus funcionários compartilhem críticas ao seu supervisor com os colegas de trabalho, mas que Souza o teria feito em uma rede social, em seu tempo livre. Além disso, afirma que a demissão estaria relacionada a “múltiplas reclamações sobre o comportamento da funcionária”.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/tec/828853-eua-processam-empresa-apos-demissao-de-funcionaria-que-a-criticou-no-facebook.shtml