Marcelo Lapola

Será que eles vão mesmo substituir os notebooks? O início do segundo semestre vai ajudar a marcar 2011 como o ano dos tablets no mercado tecnológico. Especialistas de todo o mundo avaliam que essa nova demanda, criada após o sucesso de vendas do Ipad, lançado pela empresa norte-americana Apple, virá como uma grande onda de consumo que só irá aumentar até o final do ano.

Objeto de desejo de pessoas dos 8 a 80 anos, e de disputa entre os aficionados pelas novidades tecnológicas, os tablets estão na categoria intermediária entre os notebooks e os netbooks, mas a projeção de suas vendas para os próximos meses já ameaçam a primeira categoria.

“Não acho que o tablet vá substituir inteiramente o notebook. Mesmo porque os notebooks são mais confortáveis para quem precisa trabalhar e escrever longos textos. O tablet tem a vantagem de aliar a praticidade e portabilidade de um celular ao tamanho e recursos de um computador pessoal”, analisa Jorge Miranda, proprietário de uma loja de eletroeletrônicos.

Com a inclusão dos tablets na chamada Lei do Bem, os equipamentos produzidos nacionalmente terão uma série de incentivos fiscais que poderão torná-los até 40% mais baratos, segundo estimativas do governo.

A portaria também estabelece normas para a fabricação dos componentes que compõem o produto. Pela portaria, são considerados tablets os computadores portáteis, sem teclado e com tela sensível ao toque.

De acordo com o secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Virgilio Almeida, essas exigências vão influenciar principalmente na geração de empregos. “Isso gera empregos no Brasil, aumenta o faturamento das empresas que fabricam componentes, fortalecendo toda a cadeia produtiva no país para fabricar tablets”, frisou.

Treze fabricantes já solicitaram à Secretária de Política de Informática a isenção e se comprometeram a seguir o Processo Produtivo Básico (PPB).

Num estudo do banco Goldman Sachs, uma das instituições financeiras mais importantes do mundo, analisando números de vendas de notebooks e tablets, chegou-se à conclusão de que a venda de tablets no mundo inteiro tende a crescer exponencialmente nos próximos anos. Será grande em 2011, mas aparentemente será 2012 o ano derradeiro da vitória desse tipo de produto. Lideradas pela Apple, as vendas de outras marcas devem aumentar e a expectativa maior é para o Natal.

Fonte: http://jornalcidade.uol.com.br/rioclaro/dia-a-dia/tecnologia/76983–TECNOLOGIA:-estudos-apontam-disparada—nas-vendas-de-tablets-no-segundo-semestre–