Operação deve começar nesta quinta. Após 8 anos, companhia chega ao país com projeto que revolucionou a indústria, apresentando alternativa à pirataria

Esta quinta-feira pode ser considerada uma data histórica para a música digital no Brasil. Finalmente, a Apple deve disponibilizar  a coletânea de músicas da loja iTunes no país. No ar desde 2003, o estabelecimento virtual revolucionou a indústria da música com a premissa de vender material original e legalizado através de um meio dominado pela pirataria e pelo desrespeito aos direitos autorais devidos aos artistas e gravadoras. Agora, os brasileiros poderão navegar e adquirir itens presentes no acervo crescente do serviço – que, nos Estados Unidos, conta com 20 milhões de fonogramas. No lançamento do projeto, eram 200.000.

A estratégia da marca para iniciar a ação em território nacional inclui a utilização das obras e do nome cantor Roberto Carlos, que já teve seu repertório digitalizado – inclusive em espanhol – e disponibilizado para os clientes internacionais da loja. Essa é a primeira vez que os fãs no Brasil terão acesso oficialmente à obra na versão em bits e bytes.

O preço das músicas para o público brasileiro deve ficar em torno de 1,99 real, a ser pago com cartão de crédito internacional ou especial, o gift card, com valores divididos entre 10 e 50 reais. Eles devem ser associados à conta do usuário. Com o tempo, a companhia deve oferecer novas formas de pagamento, ainda não definidas.

A Apple chega com dois desafios: combater rivais já consolidados no mercado e lidar com um público resistente à aquisição legalizada de música na web. De acordo com Federação Internacional da Indústria Fonográfica (sigla IFPI em inglês), 44% dos usuários de internet no Brasil baixam músicas de sites de serviços ilegais. Só a Espanha tem cifra superior: 45%. Curiosamente, a IFPI aponta que México, Argentina e Brasil são responsáveis por 80% das vendas de músicas digitais na América Latina. No mundo, o mercado detém 29% do lucro gerado pela indústria da música, cerca de 4,6 bilhões de dólares.

fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/apple-comeca-a-vender-musicas-no-brasil-pelo-itunes