Acessar dados particulares da empresa em qualquer computador do mundo, sem a necessidade de instalação de programas ou serviços nas máquinas, já é uma realidade e deve ganhar o universo das micro e pequenas empresas brasileiras. O conceito de computação em nuvem foi tema do III Congresso Internacional Software Livre e Governo Eletrônico (Consegi 2010), que teve início nesta quarta-feira em Brasília.

O evento, realizado pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), em parceria com o Ministério da Fazenda e a Escola de Administração Fazendária (Esaf), tem o apoio do Sebrae e se estende até a próxima sexta-feira (20).

Durante a abertura do Congresso, o diretor-técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos, destacou a importância do desenvolvimento de novas tecnologias para o segmento das micro e pequenas empresas. “Esse campo tem uma dupla importância para o Sebrae. Tanto pelas próprias empresas de tecnologia da informação e comunicação, já que a maioria é de pequeno porte, mas também porque o desenvolvimento de novas tecnologias é bom para outras pequenas empresas que precisam de tecnologia. É melhor que esse fornecimento seja feito por pequenas empresas”, afirma. “Vamos fazer chover tecnologia e inovação nas pequenas empresas deste País”, completou.

A utilização de software livre, segundo o diretor, dá autonomia ao Brasil, o que possibilita que a evolução da tecnologia seja permanente e independa da política das empresas. E a utilização da tecnologia em nuvens permite uma mobilidade maior. Também integrante da mesa de abertura, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, reforçou. “Para o País ser capaz de traçar seus caminhos com mais independência é preciso que ele seja capaz de inovar”.

Segundo o ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, a política nacional de ciência e tecnologia tem como uma de suas prioridades levar inovação tecnológica para as empresas. “Precisamos fazer com que essa área tenha uma evolução maior no Brasil. O nosso grande desafio é fazer a inovação tecnológica passar a fazer parte dos desafios das empresas”, disse o ministro.

Por meio do conceito de computação em nuvem o usuário pode ter acesso a programas, serviços e arquivos de forma remota através da internet. O modelo, que exclui o uso de unidades físicas, refere-se à utilização da memória e das capacidades de armazenamento de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da rede.

Participaram ainda da abertura do Consegi 2010 o ministro da Ciência e Tecnologia, o diretor-presidente do Serpro, Marcos Mazoni, além de representantes do governo da Coréia do Sul, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Ministério da Educação e da Esaf. Nos três dias de evento são esperadas 5 mil pessoas para assistir às palestras e discussões sobre o tema.

Fonte: http://www.administradores.com.br/informe-se/tecnologia/brasilia-recebe-congresso-internacional-de-software-livre-e-governo-eletronico/37004/