O Brasil acumulou 25,5 milhões de conexões banda larga em dezembro de 2012, somando os pontos de acesso móveis e fixos, excluindo smartphones. Em dezembro de 2011, eram 21,7 milhões de acessos (crescimento de 17,5% durante o período). As informações foram divulgadas pela empresa Cisco e fazem parte do estudo Barômetro Banda Larga.

Separado os pontos de acesso fixos e móveis de janeiro a junho, as redes portáteis correspondiam a 35% do total (cerca de 6,1 milhões) – esses dados não levam em conta, no entanto, o segundo semestre de 2012. Em 2011, elas somavam 5,5 milhões ou 25,3%. Também no primeiro semestre do ano passado, as conexões de banda larga representaram 31% dos lares com acesso à web no país.

Os acessos via smartphones foram excluídos, segundo a desenvolvedora do estudo, porque não é possível garantir que as conexões feitas por celulares alcancem a velocidade mínima para serem consideradas banda larga (128 Kbps, ou kilobits por segundo). Deficiência nos celulares e falta de clareza em relação à velocidade por parte das empresas seriam empecilhos para essa inclusão. Na categoria de acesso móvel são considerados, por exemplo, modens 3G.

Velocidade

O levantamento, realizado entre janeiro e junho do ano passado, indica que as conexões acima de 2 Mbps (megabits por segundo) cresceram 11,5% — o acesso de alta velocidade representa 52,7% dos fixos. Com esse aumento, a velocidade média no Brasil aumentou, chegando a 4,88 Mpbs.

Na América Latina, o Brasil está atrás apenas do Chile, que alcança 6,22 Mbps. Nos Estados Unidos, esse índice é 14 Mbps.

A projeção para os próximos anos é de que quantidade de acessos continuará aumentando no Brasil. Em 2016, a estimativa é de que o total de conexões ultrapasse 30 milhões. As conexões serão divididas entre 31,5% móveis e 69,3% fixas, ainda segundo estimativas.

Congestionamento de dados

Assim como o número de usuários, o trafego de dados também deve crescer no mundo. A expectativa é que a quantidade de bytes enviados e recebidos seja 13 vezes maior do que hoje em 2017, alcançando 134 exabytes (clique aqui para entender o que significa cada unidade de medida virtual). No Brasil, a previsão de aumento é de 12 vezes, um ritmo menor que o mundial. As informações foram fornecidas pelo estudo Cisco Visual Networking Index (VNI) Global Mobile Data.

O motivo para o crescimento expressivo no consumo de dados é a habilitação de novas conexões móveis (são esperados 5,3 bilhões em 2017, contra 4,3 bi em 2012). Segundo os dados do levantamento, a quantidade de conexões ultrapassará a população mundial em 2017 (a estimativa da ONU é de 7,6 bilhões de pessoas)

Fonte: http://tecnologia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/02/06/brasil-ultrapassa-25-milhoes-de-conexoes-banda-larga-em-2012-crescimento-e-de-175.htm