Existe uma expectativa de que ainda neste semestre, os brasileiros possam investir nas ações da Google e da Apple, que serão negociadas pela BM&F Bovespa, em conjunto com outros papéis de grandes corporações – já negociadas nas bolsas de valores norte-americanas. A nova modalidade de investimentos em títulos de empresas estrangeiras promete representar até 10% do total movimentado pela Bovespa em três anos, segundo Ricardo Nascimento, diretor de custódia do Deutsche Bank Brasil, primeira instituição autorizada a trazer os papéis para o País.

Para os especialistas, os papéis da Google e da Apple devem estar entre os que mais vão despertar interessados. Ambas têm uma marca bastante conhecida entre os brasileiros que, por sua vez, ainda contam com poucas opções para investir em ações de empresas de tecnologia com capital aberto na bolsa local.

“Não há companhias similares disponíveis no mercado de ações brasileiro. Além disso, a Apple e a Google são marcas muito difundidas, extremamente próximas dos brasileiros”, afirma o professor de finanças da Brazilian Business School (BBS), Ricardo Torres, que acrescenta: “Elas já possuem um marketing institucional que, por si só, contribuirá para atrair investimentos.”

Segundo Torres, outras marcas que podem se destacar nessa nova modalidade serão o Walmart e o McDonald’s, que também entrarão no pacote de ações apresentadas ao investidor brasileiro no segundo semestre. A lista, com dez empresas, também inclui duas gigantes do setor financeiro  Bank of America e Goldman Sachs , a siderúrgica Arcelor Mittal, a mineradora Billiton, a petrolífera Exxon Mobil e a indústria de medicamentos Pfizer.

O professor e educador financeiro do Centro de Estudos e Formação de Patrimônio Calil & Calil, Mauro Calil, concorda. “Com essas empresas não há barreira em relação ao desconhecimento. Quem, atualmente, não faz uma pesquisa no Google? O mesmo vale para a Apple’, avalia o especialista. “Haverá demanda pelos papéis dessas empresas porque elas são conhecidas, com filiais no Brasil, e têm apresentado bom desempenho”, complementa.

Recentemente, levantamento da consultoria inglesa Millward Brown Optimor colocou a Google em primeiro lugar na lista das 100 marcas mais valiosas do mundo pelo quarto ano consecutivo. A Apple ficou com o terceiro posto. Outra pesquisa, da revista Fortune, realizada com empresários, apurou que as duas gigantes de TI são as empresas mais admiradas do planeta.  Calil, adverte, contudo, que, como qualquer outra ação, trata-se de uma opção de investimento de risco.

Em 2009, nos Estados Unidos, as ações da Google valorizaram 102%, acima do índice Nasdaq, que teve uma taxa de crescimento de 44%, e do Ibovespa, principal índice da BM&FBovespa (82,7%). Mas, de janeiro a abril de 2010, os papéis da empresa recuaram 15%, para atingir 525,70 dólares. Já a cotação das ações da Apple continuaram subindo em 2010 (23,9%, até o final de abril), mesmo após uma forte expansão no ano passado (147%). Em abril, o valor de capitalização de mercado da Apple no ranking SP&500 superou o da Microsoft. Em maio o valor real da empresa superou o da Microsoft em 3 milhões de dólares.

Fonte: http://idgnow.uol.com.br/mercado/2010/07/07/bovespa-tera-acoes-da-google-e-apple/