Dezena disse que após sete anos de trabalhos, a Tecnologia do BB já conseguiu implantar sistema de código aberto em mais de 50 mil máquinas de atendimento automático, com redução de custos e otimização de serviços. Segundo ele, o cliente nem sabe que por trás dos terminais o software adotado é de código aberto.

Agora o Banco do Brasil, segundo Geraldo Dezena, parte para o desafio da computação em nuvem. O projeto ainda está em fase embrionária dentro do banco, mas ele assegurou que a instituição deverá adotar toda a tecnologia disponível nesse segmento.

Acompanhe a cobertura do Consegi 2010 na CDTV.

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=23488&sid=11